Resenha: Os Irmãos Karamázov

Os irmãos Karamázov500

Tá, tudo bem, eu confesso, tenho uma queda pelos clássicos, assumo, mas que atire a primeira pedra quem nunca se embrenhou e se perdeu por estas paragens. Pronto, falei!!! E que paragens, rsrsrs…

Bom, meu primeiro contato com Dostoiévski começou com Crime e Castigo, nos idos de 1999, e, categoricamente, me vi impelida, rendida e apaixonada por Raskólnikov, o anti-herói. Sofri com a sua crise, com a sua sina, e não conseguia, ou não queria, aceitar que uma pessoa com aquela alma, índole e discernimento pudesse ter sido levado a cometer tamanha loucura. Ali, compreendi que o talentoso mestre russo não havia nascido para ficar à paisana e nem tampouco para perder tempo floreando sonhos intangíveis e imaculados; se a vida demonstrava sinais de brevidade, então, que fosse intensamente vivida.

Mas, o que tem a ver o fio com o pavio? Poderia, de fato, não coexistir nada de interessante, todavia, basta que se leia Dostoiévski uma vez, uma única vez, para ficar marcado para sempre, e literalmente, com o seu copyright, com a sua combustão e intensidade. Basta uma única vez para que você entre novamente no ciclo de vício e dependência que a sua aura e obras criam em torno de si e de quem os absorve, siiiim, você anseia cada parágrafo como se daquilo dependesse seu ar, seu fôlego e seu porvir. É, é muita faísca numa centelha só…

Então beleza, já foi fisgado, seus anticorpos já detectaram que espécime te cutucou e que são capazes de lidar com isso, joia!!! Agora trata de segurar a tua onda porque nem toda racionalidade é capaz de explicar o porquê de agirmos contra o óbvio e, muitas vezes, contra nós mesmos. Só me sinto na obrigação de esculachar a Dona Morte, pois “só acho” que ela deveria ter se atrasado mais um pouco para que Dostoiésvki tivesse continuado Os Irmãos Karamázov, dois volumes e 999 páginas não foram suficientes para dar cabo da minha sanha curiosa, enfim…

No primeiro volume, somos apresentados à família do patriarca, Fiódor Pávlovitch Karamázov, e precipitados nos dramas e origens distintas dos irmãos Karamázov, de sorte que este momento apresenta-se como fator impositivo e indubitável para a aceitação dos fatos, senão, ao menos para a contemplação dos propósitos desventurados que a vida precisa seguir para que tudo faça sentido. Cedemos à irascibilidade e afetividade de Dmitri, à doçura e equilíbrio de Alieksiêi e à sagacidade compendiosa de Ivan. Válido salientar que, entre tantas intempestividades, ainda coexiste a presença do filho bastardo, jamais reconhecido, Smierdiakóv.

O soco no estômago se dá em decorrência de discordâncias no que tange aos valores advindos da herança materna, que Dmitri acredita ter sido roubado pelo pai, e pelo triângulo amoroso que se enreda junto à senhorita Grúchenka, o que acaba de vez com qualquer possibilidade de entendimento entre pai e filho.

No segundo volume, orbitamos em torno do assassinato de Fiódor e, na maior parte do tempo, nas prerrogativas da suspeita e, posterior, prisão e julgamento de Mítia que, por sinal, dispara um discurso bastante emotivo pouco antes do cárcere:

“- Senhores, todos nós somos cruéis, todos somos uns monstros, todos levamos as pessoas ao choro, mães e crianças de colo, mas de todos – que assim fique resolvido neste momento -, de todos eu sou o réptil mais torpe! Que seja! Todo santo dia de minha vida batia em meu peito prometendo a mim mesmo corrigir-me, e todo santo dia cometia as mesmas vilanias. Agora compreendo que gente como eu precisa de um golpe, de um golpe do destino, para ser presa como por um laço e sujeitada por uma força externa. Eu nunca, nunca me levantaria por mim mesmo! Mas a tempestade desabou. Aceito o suplício da acusação e minha desonra pública, quero sofrer e com o pensamento purificar-me! Porque talvez me purifique, não, senhores? Mas, não obstante, ouçam pela última vez: não sou culpado pelo sangue derramado de meu pai! Aceito o suplício não por o haver matado, mas por ter querido matá-lo, e é possível que realmente viesse a matá-lo… Mas, apesar de tudo, tenciono lutar com os senhores e isso eu vos anuncio. Hei de lutar com os senhores até o último limite, e aí Deus decide! Adeus, senhores, não se zanguem por eu ter gritado com os senhores durante o interrogatório, oh, eu ainda era muito tolo… Dentro de um minuto serei um prisioneiro e agora, pela última vez, Dmitri Fiódorovitch, como homem ainda livre, estende aos senhores a sua mão. Ao me despedir dos senhores, despeço-me dos homens!…” (DOSTOIÉVSKI, 2008, p. 665).

E aí, será mesmo que ele tem culpa?

P.S.// Já ia esquecendo, aclamado pela crítica como uma das melhores obras de todos os tempos, por acreditá-la substanciosa política e filosoficamente, Os Irmãos Karamázov ainda é respaldado por Nietzsche e Freud, mas o que importa mesmo é que nós, meros mortais, também temos a chance, o direito e o dever de nos deleitarmos e esbaldarmos nesse regalo chamado Dostoiévski.

* DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Os Irmãos Karamázov. São Paulo: Editora 34 Ltda., 2008.

Anúncios

67 comentários sobre “Resenha: Os Irmãos Karamázov

  1. It’s a pity you don’t have a donate button! I’d definitely donate
    to this brilliant blog! I suppose for now i’ll settle for bookmarking and
    adding your RSS feed to my Google account.
    I look forward to brand new updates and will share this
    blog with my Facebook group. Chat soon!

    Curtir

  2. I merely wаnted to thank you once mⲟre for that amazing web-site you have
    made һerе. It can be full of useful tips for tһose wһo are definitеly inteгested in this kind of subjeсt, primarily this verү ρost.
    Yoᥙ’re really all really sweet as weⅼl
    as thoughtful of others in addition to the fact that reading yoսr blog posts is an excellent delight to me.
    And suсh a generous surprise! Ben and I are g᧐іng to have excitement makіng սse
    of your recommendations in what we have to do in a few days.
    Our record is a mile long which means your tіps will definitely be
    put to good use.

    Curtir

  3. Hi tһere, just became alert to your blog through Google, annd fߋund that it is truⅼʏ
    informative. Ӏ am gonna watch out foг
    brussels. I’ll ƅе grateful if you continue this in future.
    Α ⅼot of people wіll be benefited fгom ʏouг writing.
    Cheers!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s