Ampulheta

Ora, sabes que foste canalha

Sabes que o tempo passa

E teus encantos arbitrários

Não convencem mais

Sabes que eu não pude arredar

Imagina

 

Nada lhe basta nunca

E tão pouco se me dá

Queres saber?

Bem farias

Se te expugnasses de vez da minha vida

E pouco importa

O que haverias de ser de ti

Como haverias de te criar

 

Não

Não adianta insistir que no frontal é um e no occipital é outro

Na verdade

Ele não haverá de ser bondoso pra ti

Não lhe preservará as minúcias

 

O Tempo não vai lhe sustentar o viço

Não é o caso

Entretanto,

Tens é sorte!

Poderias nem sinapse ter chegado a virar

 

Abre teu olho, Lembrança!

Lisergia Psicodelia Epifania não vão te sustentar

Cai na real!

Larga esta empedernida sina

Antes que a memória lhe embote a vida

Deixa rolar.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s