132

O livro do desassossego

Ler Pessoa é como se estivesse o tempo inteiro a enxergar Halguém.

Reconheço a inspiração dos diários, o vocabulário fausto, as palavras inequívocas e obstinadamente talhadas para reverberar ali, naquela caixa de ressonância.

Não consigo lhe extrair mais que um sopro lacônico por resposta e, às minhas miríades convulsas de perguntas, apenas a distância.

Entretanto, poderia supor que sinto seu cheiro de angústia, sua rabugice, sua boçalidade e, por que não?, a sua ternura; sua sensibilidade grita absurdos que, talvez, só o impacto do zênite consiga adensar e absorver.

É óbvio que carrega um lamento de eras e que, simultaneamente, é um Homem Pulsante, de paradoxa Grossura Calma, que resiste e subsiste às horas do tempo infinito.

Quisera eu que a renúncia de ti conflagrasse o esquecimento, pois quero querer não querer-te e assim, quiçá, alcance a paz.

Continuar lendo 132

Anúncios

Kafka, Foucault e o power point

kafka foucault e o power point

ALGUÉM CERTAMENTE HAVIA CALUNIADO JOSEF K. pois uma manhã ele foi detido sem ter feito mal algum” – eis que assim começa o emblemático imbróglio de Kakfa e o que deveria estar circunscrito ao, inextinguível, universo da literatura, notoriamente troça de nossas caras a véu suspenso, e a contento, pois que a justiça, esta senhora que outrora fora esculpida com ares de prudência e equilíbrio, agora acusa baseada em inalienáveis slides de power point – as provas são prescindíveis – e retóricas refinadas fazendo da canhestra realidade fonte de suplícios que julgávamos sepultados.

Se você leu Kafka julgando tratar-se de absurdos de uma escrita brilhante, penso que seja justo chutar o seu castelinho de areia; mas, por favor, não me leve a mal e não me tome por carrasca, afinal, quem articula sobre a tecnologia política do corpo e se embrenha na microfísica do poder são aqueles que vestem pele de cordeiro e se aconchegam nas minúcias do Golpe. Ademais, qualquer semelhança com a realidade NÃO É mera coincidência

Continuar lendo Kafka, Foucault e o power point

Resenha: Cenas Londrinas

cenas londrinas

Deixe-me ver, um sexteto afiado ou um punhado de palavras cortantes? Sinceramente? Tanto faz, pois em se tratando de Virginia Woolf  a expectativa é sempre compensadora. E tanto mais importa se estamos a cruzar as casas de grandes homens, as abadias e catedrais da cidade ou o retrato de uma londrina; a única coisa que conta, de verdade, é sacar o quê que esse abalo sísmico tem a dizer.

Desembaraçada e trigueira, a temos na compilação dos cinco ensaios que sacodem a poeira de Londres, a sua cachaça mais querida. Lépida e faceira, a aspergimos no lar de Mrs. Crowe, a única crônica do pedaço.

Lamento, contudo, a abusada obtusidade da publicação, 94 páginas. Isso sim, é de causar contragosto; logo, se me permitem, deixo um conselho breve, sorvam cada gole do chá das cinco com calma, com entrega, e, bom… , sem pressa, pois esta será, talvez, a melhor forma de desfrutar.

P.S.// Deixo-os com uma única citação milimetricamente pulsante (algo dificílimo para mim, rsrsrs… ). E, por favor, apertem o play.

O baratinho de ler VW é que ela não manda recado, diz na lata; é cunhada daquele mesmo grafite que registra e sublinha o papel de uma vez só. Se tentar apagar, vai borrar, mas mesmo assim vai ficar foda.

Curioos@s, aquele abraço!

Continuar lendo Resenha: Cenas Londrinas