Resenha: O Aberto – o homem e o animal

O aberto

A pergunta que não quer calar: a quantas anda o nosso lado animal? Ele existe, subsiste ou faz birra? Tais questionamentos podem até parecer perda de tempo, mas se por um lado controlamos as emoções ao ponto de sermos hipócritas, quer dizer, comedidos nas relações afim de evitarmos os estranhamentos (talvez até processos), por outro, a ciência busca meios para a criação de robôs cada vez mais “sensíveis”; se por um lado domesticamos os ímpetos e arroubos de violência dos nossos animais de quatro patas, por outro, há quem assassine a companheira que dorme ao lado ou o cidadão que grita a falência dos padrões sociais de heteronormatividade; se por um lado não conseguimos lidar com o preço da realidade sem o intermédio dos ansiolíticos, por outro, entregamos o lombo temperado e anestesiado às amarras do capitalismo, assim, quem sabe?, rolam imagens psicodélicas de fundo enquanto se dá o esquartejamento e, posterior, depósito de nossos cérebros na sarjeta.

Aonde foi que, nesse curto-circuito, nos perdemos? Aonde foi que, nesta sanha desenfreada por controle, controle e mais controle, perdemos o equilíbrio? E por que foi mesmo que surgiu essa necessidade de estrangular o lado animal? Será que não precisamos mais dessa bússola, dessa força avassaladora, ancestral, vulcânica, que nos arranca dos recônditos e nos cospe ao mundo sem máscaras, deixando-nos expostos, nus, vulneráveis, quiçá imbatíveis, ou será que estamos lidando muito bem com seu ostracismo ao ponto de prescindirmos dela? Nessa encruzilhada, ou melhor, nesse abismo, exatamente aqui, deixo-os em silêncio, em companhia apenas dos seus pensamentos, na esperança franca de que possam lidar com o eu inconsciente/instinto/não-aberto ou seja lá qual for a referência que melhor lhes aprouver.

No livro, vinte capítulos e um só panorama: limites entre o homem e o animal. Por entre conflitos abissais, céus e terras, caos e adormecimentos, Agambem faz o papel de advogado do diabo e, como bem antecede Joel Birman, trilha caminhos concisos e pautados “pela grande economia no uso das palavras”.  A nós, não cabe a inércia, ao contrário, somos excruciados pelas perguntas que se atropelam e que se não forem feitas no intervalo do nosso tempo desperto, que a tumba as acolha e encerre.

A seguir, apenas alguns vestígios das suas conexões.

Continuar lendo Resenha: O Aberto – o homem e o animal

Anúncios

132

O livro do desassossego

Ler Pessoa é como se estivesse o tempo inteiro a enxergar Halguém.

Reconheço a inspiração dos diários, o vocabulário fausto, as palavras inequívocas e obstinadamente talhadas para reverberar ali, naquela caixa de ressonância.

Não consigo lhe extrair mais que um sopro lacônico por resposta e, às minhas miríades convulsas de perguntas, apenas a distância.

Entretanto, poderia supor que sinto seu cheiro de angústia, sua rabugice, sua boçalidade e, por que não?, a sua ternura; sua sensibilidade grita absurdos que, talvez, só o impacto do zênite consiga adensar e absorver.

É óbvio que carrega um lamento de eras e que, simultaneamente, é um Homem Pulsante, de paradoxa Grossura Calma, que resiste e subsiste às horas do tempo infinito.

Quisera eu que a renúncia de ti conflagrasse o esquecimento, pois quero querer não querer-te e assim, quiçá, alcance a paz.

Continuar lendo 132

Kafka, Foucault e o power point

kafka foucault e o power point

ALGUÉM CERTAMENTE HAVIA CALUNIADO JOSEF K. pois uma manhã ele foi detido sem ter feito mal algum” – eis que assim começa o emblemático imbróglio de Kakfa e o que deveria estar circunscrito ao, inextinguível, universo da literatura, notoriamente troça de nossas caras a véu suspenso, e a contento, pois que a justiça, esta senhora que outrora fora esculpida com ares de prudência e equilíbrio, agora acusa baseada em inalienáveis slides de power point – as provas são prescindíveis – e retóricas refinadas fazendo da canhestra realidade fonte de suplícios que julgávamos sepultados.

Se você leu Kafka julgando tratar-se de absurdos de uma escrita brilhante, penso que seja justo chutar o seu castelinho de areia; mas, por favor, não me leve a mal e não me tome por carrasca, afinal, quem articula sobre a tecnologia política do corpo e se embrenha na microfísica do poder são aqueles que vestem pele de cordeiro e se aconchegam nas minúcias do Golpe. Ademais, qualquer semelhança com a realidade NÃO É mera coincidência

Continuar lendo Kafka, Foucault e o power point

Resenha: Cenas Londrinas

cenas londrinas

Deixe-me ver, um sexteto afiado ou um punhado de palavras cortantes? Sinceramente? Tanto faz, pois em se tratando de Virginia Woolf  a expectativa é sempre compensadora. E tanto mais importa se estamos a cruzar as casas de grandes homens, as abadias e catedrais da cidade ou o retrato de uma londrina; a única coisa que conta, de verdade, é sacar o quê que esse abalo sísmico tem a dizer.

Desembaraçada e trigueira, a temos na compilação dos cinco ensaios que sacodem a poeira de Londres, a sua cachaça mais querida. Lépida e faceira, a aspergimos no lar de Mrs. Crowe, a única crônica do pedaço.

Lamento, contudo, a abusada obtusidade da publicação, 94 páginas. Isso sim, é de causar contragosto; logo, se me permitem, deixo um conselho breve, sorvam cada gole do chá das cinco com calma, com entrega, e, bom… , sem pressa, pois esta será, talvez, a melhor forma de desfrutar.

P.S.// Deixo-os com uma única citação milimetricamente pulsante (algo dificílimo para mim, rsrsrs… ). E, por favor, apertem o play.

O baratinho de ler VW é que ela não manda recado, diz na lata; é cunhada daquele mesmo grafite que registra e sublinha o papel de uma vez só. Se tentar apagar, vai borrar, mas mesmo assim vai ficar foda.

Curioos@s, aquele abraço!

Continuar lendo Resenha: Cenas Londrinas

Notas sobre ela

 

notas sobre ela

Enquanto remexia nos pequenos tesouros, encontrei a bolinha de gude que ganhei do primo Ravel; ele tinha 7 anos quando me presenteou e disse que era preu guardar pra vida toda, pois faria o mesmo.

Semana passada resolvi dar uma conferida e, como quem não quer nada, perguntei se ainda tinha a dele. Respondeu dizendo que eu era Única e me amava muito.

Acho que perdeu, rsrsrsrsrsr…

17 anos guardada ainda é pouco tempo, de todo modo, atrelei a minha ao seu nome e a inseri na lista das pequenas heranças que serão legadas algum dia.

*******************************************************************************

Hoje, estando tão saudosa, recebi esse livrinho de poesias.

Li.

Gostei.

Bastante.

Continuar lendo Notas sobre ela

Resenha: A Senhora de Wildfell Hall

a senhora de wildfell hall

Me pergunto se fosse o caso de ter sido apresentada à Orgulho e Preconceito, Razão e Sensibilidade, O Morro dos Ventos Uivantes, Jane Eyre e A Senhora de Wildfell Hall sem suas capas originais e sem informações acerca de quem as escreveu, apenas o texto cru, se teria condições de discernir, com precisão, sobre qual era a obra de determinada autora e sobre os seus aspectos intrínsecos. Provavelmente, teria dificuldades e digo isto porque tanto Jane Austen quanto as Irmãs Brontë carregam em seu dna uma quase obrigatoriedade de preciosismo moral e ético na construção de suas protagonistas.

Sim, por meio de quaisquer que sejam os romances destas inglesas, você sempre encontrará histórias muito bem elaboradas e alicerçadas nos moldes da dignidade e da respeitabilidade, uma cobrança sumariamente excessiva, mas tacitamente destinada a poucos grupos; e, sinceramente, o indulto é pesado, pois às mulheres eram relegados os papéis de espinha dorsal, ao passo que ao homem a figura do homúnculo, plenamente disponível ao mundo sensorial, imerso nos elásticos limites da “excentricidade” – bebidas, jogos, relações extraconjugais, falcatruas, mau-caratismo, etcetera, etcetera – e com as bênçãos da sociedade, é claro… A boa e velha sociedade que vive de flertar com a hipocrisia.

Na Inglaterra da era vitoriana, onde imperavam as obtusas diferenças entre as classes sociais, o papel da mulher se restringia à manutenção do lar, cuidado dos filhos e total submissão e dependência ao marido. As personagens da grande maioria desses romances, delicadas ou, aparentemente, muito duras, tendem a encarar as situações com uma resignada força e não se abatem mediante a escalada dos montes ou montanhas de desafios, ao contrário, os encaram com uma fibra descomunal e que lhes agrega muito. Logicamente que as histórias giram em torno do amor e dos ardis e conquistas que tanto lhes floreiam o percurso, mas afinal é isso que também encaramos, né?, pois em qualquer que seja a época, tudo sempre gira em torno do amor, seja lá qual for, por quem for ou pelo quê for…

Por que ler Anne Brontë, afinal? Ora, porque em seu cerne, sim, ao vasculharmos todas as suas camadas e mais camadas de pesadas páginas, lhe capturamos o grito que sai rasgando as cordas vocais e que ecoa aos quatro cantos do mundo a inquietude, o anseio por mudanças e pela soberana necessidade de encarar os enfrentamentos da vida, independentemente dos castradores potenciais femininos, vulgo patriarcado, religiosidade e algemas sociais.

Só mais uma coisa, quer seja como Helen Graham ou Sra. Huntingdon, a moradora de Wildfell Hall é uma daquelas criaturas que você tem vontade de dar um abraço apertado e dizer “vai, minha querida, seja feliz”. E, bom… , se rolar aquele velho link entre a leitura e a lembrança da série Downton Abbey, relaxe, pois ambas conseguiram ser muito felizes na construção e condução dos seus trabalhos.

Continuar lendo Resenha: A Senhora de Wildfell Hall

Resenha: Fatos e falácias da economia

fatos e falácias da economia

O que você tende a fazer quando é confrontado por ideias diferentes das suas? Consegue ir até ao fim da conversa, da leitura, do vídeo ou o que quer que seja ou simplesmente aciona as suas versões Talião, justiceiro, vingador e cai pra cima? Você consegue equilibrar a balança antes de emitir um depoimento que considere justo, mesmo que seja à respeito daqueles pontos-de-vista que te incomodam e que consideras discrepante?

Continuar lendo Resenha: Fatos e falácias da economia