132

O livro do desassossego

Ler Pessoa é como se estivesse o tempo inteiro a enxergar Halguém.

Reconheço a inspiração dos diários, o vocabulário fausto, as palavras inequívocas e obstinadamente talhadas para reverberar ali, naquela caixa de ressonância.

Não consigo lhe extrair mais que um sopro lacônico por resposta e, às minhas miríades convulsas de perguntas, apenas a distância.

Entretanto, poderia supor que sinto seu cheiro de angústia, sua rabugice, sua boçalidade e, por que não?, a sua ternura; sua sensibilidade grita absurdos que, talvez, só o impacto do zênite consiga adensar e absorver.

É óbvio que carrega um lamento de eras e que, simultaneamente, é um Homem Pulsante, de paradoxa Grossura Calma, que resiste e subsiste às horas do tempo infinito.

Quisera eu que a renúncia de ti conflagrasse o esquecimento, pois quero querer não querer-te e assim, quiçá, alcance a paz.

Continuar lendo 132

Anúncios

Notas sobre ela

 

notas sobre ela

Enquanto remexia nos pequenos tesouros, encontrei a bolinha de gude que ganhei do primo Ravel; ele tinha 7 anos quando me presenteou e disse que era preu guardar pra vida toda, pois faria o mesmo.

Semana passada resolvi dar uma conferida e, como quem não quer nada, perguntei se ainda tinha a dele. Respondeu dizendo que eu era Única e me amava muito.

Acho que perdeu, rsrsrsrsrsr…

17 anos guardada ainda é pouco tempo, de todo modo, atrelei a minha ao seu nome e a inseri na lista das pequenas heranças que serão legadas algum dia.

*******************************************************************************

Hoje, estando tão saudosa, recebi esse livrinho de poesias.

Li.

Gostei.

Bastante.

Continuar lendo Notas sobre ela

Oceano solitário

 

 

oceano

– Ela está morta? – perguntei.

– Morta? – repetiu a velha senhora de roupão. Ela pareceu ofender-se. – Acha que – disse ela, cuspindo as palavras, como se aquela fosse a única forma de me transmitir a gravidade do que estava dizendo. – Acha que uma Hempstock seria capaz de fazer algo assim tão… comum…?

– Ela está ferida – disse Ginnie Hempstock, aconchegando-me. – Tão ferida quanto pode ficar. Está tão perto da morte que poderá morrer se não fizermos algo a respeito, e rápido. – Um último abraço, e: – Agora vá.

Continuar lendo Oceano solitário

Nienna

Nienna

Mais poderosa do que Estë é Nienna, irmã dos féanturi, que vive sozinha. Ela conhece a dor da perda e pranteia todos os ferimentos que Arda sofreu pelos estragos provocados por Melkor. Tão imensa era a sua tristeza, à medida que a Música se desenvolvia, que seu canto se transformou em lamento bem antes do final; e o som do lamento mesclou-se aos temas do Mundo antes que ele começasse. Não chora, porém, por si mesma; e quem escutar o que ela diz, aprende a compaixão e a persistência na esperança. Sua morada fica a oeste do Oeste, nos limites do mundo; e ela raramente vem à cidade de Valimar, onde tudo é alegria. Prefere visitar a morada de Mandos, que fica mais perto da sua; e todos os que esperam em Mandos clamam por ela, pois ela traz força ao espírito e transforma a tristeza em sabedoria. As janelas de sua casa olham para fora das muralhas do mundo. (p. 19-20)

 

 

TOLKIEN, JRR. O Silmarillion. São Paulo: Martins Fontes, 2007.