RESENHA: O SEGREDO DE HEAP HOUSE

O Segredo de Heap House

A tia Rosamud, verdade seja dita, era velha, ranzinza e meio calombenta, mas, sobretudo, costumava gritar, acusar e dar beliscões por qualquer motivo. Ela distribuía, por bem ou por mal, biscoitos antiflatulência para todos nós, meninos. Sempre conseguia nos encurralar na escada e fazer perguntas sobre a história da família; caso errássemos a resposta, confundindo um primo de segundo grau com um de terceiro grau, por exemplo, ela se tornava impaciente e desagradável, pegava sua maçaneta pessoal (Alice Higgs) e batia na nossa cabeça. Seu. Menino. Burro. Aquilo doía. Demais da conta. De tanto sapecar, socar e surrar jovens cabeças com sua maçaneta pessoal, tia Rosamud criou uma má reputação para as maçanetas em geral, fazendo com que muitos de nós as girássemos com cautela por causa das más lembranças com aqueles objetos. Portanto, não foi surpresa o fato de nós, colegas de estudo, termos ficado especialmente desconfiados naquele dia. Muitos não teriam ficado tristes se a maçaneta nunca mais tivesse sido encontrada, e muitos outros pensavam aterrorizados em toda a atividade subsequente caso ela reaparecesse. Mas, sem dúvida, todos nós sentíamos compaixão por Rosamud e sua perda, sabendo que titia já havia perdido algo antes. (CAREY, 2017, p. 15-16)

E foi a partir de então que me vi compelida a gravar áudios e whatsappar Juliana – a prima -, afinal, alguém precisava se acumpliciar da minha expectativa. Expectativa esta que crescia tal qual o mar de cúmulos. Cúmulos que cresciam tal qual a fome de poder e perpetuação do clã dos Iremonger. Perpetuação que carecia de novos membros e, para tal, cooptaria Lucy Pennant. Lucy Pennant que, destemidamente, chafurdaria pelas numerosas lareiras e escadas, escadas e lareiras, até topar com a curioosidade de Clod. E Clod, catalisador oficial do som surround by todos os objetos da quimera feliz, quero dizer, casa feliz, cuidará para que não nos faltem detalhes pitorescos e, mefiticamente, divertidos.

Detalhe, é uma trilogia, portanto, trate de pregar a bunda no sofá com outras leituras até que saia o volume 2. Se bem que… você pode reler.

Ou ainda, quem sabe?, voltar a lidar com aqueles artigos chatientíficos que lhes jogarão na cara, tão logo recomecem as aulas.

Já sei! Você pode montar a árvore genealógica da sua família pra ver se consegue ultrapassar a de Clod. Ou então, ahhhhhhh, se vira!

Continuar lendo RESENHA: O SEGREDO DE HEAP HOUSE